27 de out de 2013

Não há surpresas

Fonte: Jornal Alef
Quando a gente pensa que já viu de tudo, fatos nos obrigam a concluir que, sim, sempre a Humanidade sempre pode cavar um buraco ainda mais fundo. Vejam a notícia ao lado, que dá conta de uma tentativa de criação, na Rússia, de um partido político que mesclaria as doutrinas comunista e nazista. Quem sabe o mínimo de História Geral percebeu há tempos que o comunismo e o nazismo em nada se diferem: ambos são totalitários, genocidas e racistas, e vêm se aproximando perigosamente no que tange à demonização de Israel, por exemplo.

Porém, o pior não é isso, e sim o que as pessoas insistem em não perceber o óbvio, ainda exaltando o modo de viver ultraesquerdista como se fosse a solução de todos os nossos problemas. Tanto que, ao contrário da suástica, a imagem da foice e do martelo não desperta a repulsa que deveria. A versão ocidental desses "visionários" costuma identificar os totalitários nazistas com os conservadores e a direita, mas na verdade eles dizem o contrário, pois a esquerda tem muito mais identificação com o regime derrotado na Segunda Guerra Mundial.

21 de out de 2013

Não abre a boca, que é Royal

Boa noite a todos, Brasil. Eu faço minha estreia em tão prestigioso broguinho escrevendo sobre o assunto do momento™: a invasão do Instituto Royal por uma caralhada de gente pra soltar um monte de cachorro por aí. As chamadas ecomalas alegaram que os pobres lulus eram usados por esses cruéis e desalmados pesquisadores para um monte de testes, que se bobear elas nem sabem direito quais são.
 
Vou polemizar: essas figurinhas muito loucas que vivem aprontando mil e uma por aí não sabem é porra nenhuma do que estão fazendo. Os fãs involuntários do Snoopy, então, nem podem ficar doentes depois dessa. Afinal, tudo que é remédio que eles costumam tomar é resultado de quê? De pesquisas com animais! Notadamente os beagles, aqueles cãezinhos fofuchos que foram ~libertados~ pelos ativistas animalistas. Ou seja: se eles estão vivos, é graças aos cachorrinhos fofonhos que eram submetidos a testes e mais testes. Se vocês quiserem se solidarizar c'os bicho, beleza. É só parar de tomar qualquer remédio. Só não me peça pra arcar com as consequências...
 
Claro que, se houver abusos, que eles sejam devidamente punidos. Óbvio! Não sou nenhum desprovido de noção, ao contrário do que todos que me conhecem pensam sobre minha pessoa. Mas não sou nenhum ingênuo que pensa que tem condições de salvar o mundo e os animais, como se quisesse fazer a Marina Selva incessantemente. Esqueçam, meus filhos! Se eu imaginar o contrário, despiroco o cabeção de vez e desando a falar bobagens como a Dilmão Hussein, que acha que sempre tem que ter um cachorro atrás de uma criança, misturando pedofilia e zoofilia num mesmo discurso.

Bem-vindos a este boteco louco

Boa noite, meus queridos. Ou a quem estiver lendo este texto. Pra quem ainda tiver paciência com blogs e quetais, o nascimento de um diário virtual pode ser considerado motivo de júbilo. Pra mim, é um renascimento, apesar de os blogs não estarem tão em voga como estavam cerca de dez anos atrás. Durante sete anos (de 2005 até o ano passado), mantive um chamado Amenidades & Bobajadas. Era ótimo extravasar sobre aquilo que me afligia diariamente, e eu escrevia sobre qualquer assunto. Qualquer assunto, mesmo. Mas o tempo passou, eu deixei o A&B bem de lado. Aí, decidi não mais atualizá-lo. Escrevi, inclusive, um lacônico texto de despedida. Foi há pouquíssimo tempo. Aliás, foi há menos de meia hora.

Sabem, há meses venho acompanhando os acontecimentos sem ter sequer inspiração para escrever sobre eles - haja assunto! -, e há semanas venho pensando em escrever sobre eles mostrando como seria bom fazê-lo de um jeito que não deixe dúvidas quanto a minhas opiniões ou a de outras pessoas. Há dez anos eu blogo. Faço um blog de notícias humorísticas chamado A Trombada!, mais antigo (embora sem o mesmo talento, reconheço) que a grande maioria de blogs noticiosos de humor existentes por aí - aliás, ele será descontinuado no final deste mês. Neste blog, tenho um personagem chamado Saúvo Carrapatoso, um jornalista esportivo da fictícia cidade de Picapiroca do Norte. Já faz algum tempo que o faço escrever no meu outro blog ativo, o futebolístico Golblog Futebol Clube - onde, inclusive, ele tem uma coluna fixa às quintas-feiras, chamada sugestivamente de Coluna de Quinta. Há tempos penso em "convidá-lo" pra blogar comigo, já que escrevo de forma mais elegante e ele esculhamba tudo, mesmo - basta lê-lo por lá para comprovar. É uma forma que tenho de mostrar algo diferente para reclamar e comentar quanto as coisas saem do controle na minha visão - heterônimo, Fernando Pessoa, sacou? Enfim: este novo blog, o Boteco sem Esquina, é basicamente isso. Eu escrevo sobre determinados assuntos com mais calma; o Saúvo, com maior mordacidade.

Nunca frequentei botequins, e não bebo nem mesmo socialmente. Mas tenho os botecos como ponto de encontro de gente que quer bater um papo sobre qualquer assunto (na verdade, só adotei este nome pro blog porque os títulos "Monólogo de Dois" e "Diálogo de Um" já estão registrados pelo Blogger, mas não espalha). Pretendo manter alguns clássicos de A Trombada! neste BdE: a Tassa di Prástico, que elege os piores de cada ano, incluindo aí o prêmio máximo, o de Mala do Ano; e o Estandarte de Lata, que elege os piores do Carnaval. Mas de resto, pretendo renovar o meu estilo de blogagem ao introduzir o estilo ácido de Saúvo Carrapatoso nestes escritos. Pode ser que haja mudanças no decorrer do tempo, mas de toda forma é um novo blog que nasce neste momento. Deleitemo-nos, pois.