10 de jan de 2015

Tassa di Prástico 2015: Agora é a hora da onça beber água! E eles que tentem nos impedir!

Sim, meus amigos: justo quando vocês pensavam que iriam se livrar da gente, ó nóis aí traveiz! A Tassa di Prástico está de volta para premiar os piores do ano que passou, e olha que a concorrência foi duríssima. O ano foi difícil, a parada foi sinistra e aqui estão os vencedores!
 
 
Troféu Bundinha de Bebê de frase mais cretina do ano: "Eu lamento enormemente isso [o bombardeio da coalizão liderada pelos Estados Unidos ao grupo terrorista Estado Islâmico, na Síria]. O Brasil sempre vai acreditar que a melhor forma é o diálogo, é o acordo e a intermediação da ONU" - Dilma Rousseff
 
Troféu Carlo Collodi de maior lorota do ano: As promessas de Dilma de que não iria aumentar os juros nem mexer nos direitos dos trabalhadores, diferentemente do que (ela e os demais petistas e seus aliados juravam) o adversário Aécio Neves faria se eleito. Poucos dias depois de sua reeleição, porém, foi exatamente isso o que ela acabou fazendo...
 
Troféu Osama bin Laden de maior "já vai tarde" do ano: Jean-Claude Duvalier, o Baby Doc, ditador do Haiti entre 1971 e 1986
 
Troféu Ben Johnson de maior mico esportivo do ano: Gol da Alemanha!
 
Troféu Florentina de Jesus de pior canção do ano: Lepo-Lepo, cantada pela Banda Psirico
 
Funcionário do Ânus: Não poderia ser outro senão João Santana, o marqueteiro da Dilma. Claro! Ou será que, se não fosse por ele, ainda estaríamos aguentando mais quatro anos de PIBs ridículos, desastres diplomáticos e grandes escorregadas ideológicas?
 
Pois é, galera. Feliz 2016!
 

29 de mar de 2014

Voltamos! Ou nem tanto...

É, pessoal: a saudade bateu e neste ano encontramos, enfim, disposição pra falar pra caramba durante este ano. Eu sei que se passaram quase três meses depois que o ano começou, mas é que a gente andava muito ocupado pra visitar esse Boteco aqui. Pra comemorar nossa grande retomada (até que a gente fique de saco cheio mais uma vez), iremos ressuscitar um pouco da nossa estimada Tassa di Prástico, a tradicional premiação dos piores do ano anterior, combinada com alguns ganhadores do Estandarte de Lata, que premia os piores do Carnaval.
 
Ué, qual é o problema?! Tá, sabemos que o Carnaval foi há quase um mês. Mas só agora tivemos saco pra premiar o pessoal todo. É bom a gente avisar desde já que nem serão todos os prêmios anteriores que entregamos, pois não tivemos saco bastante pra fazer a retrospectiva de 2013. E nem estranhem o fato de premiarmos a galera do ano passado agora, no final de março. Até cerca de dez anos atrás, o Oscar era nessa época do ano e ninguém achava estranho. Então, toma os prêmios e não reclama, rapaz.
 
TASSA DI PRÁSTICO
Troféu Bundinha de Bebê de frase mais cretina do ano: "Menos democracia às vezes é melhor para organizar uma Copa do Mundo" - VALCKE, Jérôme. 24 de abril
 
Troféu Florentina de Jesus de pior canção do ano: Aquecimento das Maravilhas, executada pelo grupo Bonde das Maravilhas
P.S.: O vídeo acima é pra quem gosta de altos sofrimentos auditivos.
 
Troféu Osama bin Laden de maior "já vai tarde" do ano: Hugo Chávez, presidente da Venezuela, falecido em 5 de março de 2013 (exatos sessenta anos depois de Josef Stalin, a propósito)
 
Troféu Ben Johnson de maior mico esportivo do ano: O Tapetão 2013, aquele que mudou o rebaixamento quase um mês depois do fim do Campeonato Brasileiro
 
ESTANDARTE DE LATA 2014
Pior escola e pior conjunto de fantasias: Unidos de Vila Isabel, que defendeu o título com um desfile, digamos, um tanto quanto minimalista demais
 
Pior enredo, pior samba-enredo e pior conjunto alegórico: Beija-Flor de Nilópolis, que foi O Erro™ desde o Carnaval passado, quando anunciou que homenagearia Boni e levou à Sapucaí um desfile inteiramente sem pé nem cabeça, desde a sinopse até a Apoteose
 
Pior comissão de frente: Mocidade Independente de Padre Miguel, que tentou homenagear Fernando Pinto levando imitação da nave da Xuxa - mas parece que não teve lá muito sucesso
 
Pior escola do Grupo de Acesso: Tradição, que mais uma vez reeditou enredo de outra escola (no caso, o da Beija-Flor de 1976) e, uma vez mais, evidenciou a sua absoluta mediocridade atual
 
Vesti uma fantasia de mico e saí por aí: A incoerência das notas dadas a escolas como Vila Isabel (que ganhou notas altas demais para alas sem fantasias) e Império da Tijuca (que foi canetada demais, mesmo sem ter faltado nada, nem mesmo samba-enredo)
 
INTÉ.

31 de dez de 2013

Personalidade do Ânus: Paula Lavigne

No saudoso blog A Trombada!, tínhamos um prêmio anual chamado Tassa di Prástico, que elegia os piores de cada ano. A categoria principal era a do Mala do Ano, que elegia, via voto popular por todo o mês de dezembro, aquele que mais encheu o nosso saco durante o ano. Inspirados nessa premiação tão tradicional quanto quase desconhecida, decidimos criar o nosso próprio prêmio aqui neste Boteco sem Esquina: a Personalidade do Ânus, que faz basicamente a mesma coisa que o Mala do Ano fazia. Inaugurando este laurel no último dia do ano, elegemos a ex-mulher de Caê Veloso e empresária (necessariamente nesta ordem) Paula Lavigne.

Venhamos e convenhamos: ela andava um tanto quanto sumida nestes últimos anos. Mas reapareceu com força total ao mandar geral procurar saber sobre as biografias não autorizadas. Ela lidera (ou liderava, já que ninguém mais ouviu falar do tal Procure Saber depois que o Roberto Censurá-los vazou dessa galerinha muito louca que incluía o Caê e o Chico Buarque, além do ex-ministro da Cultura Gilberto Fugiu) um grupo de famosos aí que quer proibir as biografias com o argumento de que é necessária autorização pra lançar biografias não autorizadas - ou seja, eles até aceitam biografias não autorizadas, desde que devidamente autorizadas. Fosse apenas desse jeito, a gente até entenderia o lado do pessoal e, principalmente, da Paula Lavigne. Mas ela não apenas defende o lado errado da parada toda - ela o faz de um jeito que parece exigir que todos ao seu redor concordem sempre com ela. Foi o seu, aham, jeitinho todo especial e quase boçal que a fez ser eleita a primeira Personalidade do Ânus deste blog. A primeira de muitas, espero eu. 

Feliz Ano Novo.

21 de nov de 2013

Cada capa tem a perereca que merece

Vejam vocês o quanto é a nossa imprensa, aham, "progressista": enquanto todas as demais revistas semanais brasileiras falam do escândalo do mensalão e da prisão dos deputas mensaleiros na Papuda, a Corja Kapital, aquela revista que só existe graças às polpudas verbas estatais, vai lá e bota uma perereca na capa. Desde o ano passado que uma perereca na capa de uma revista não causa tanta polêmica.

4 de nov de 2013

Já é Natal na Leader Magazine (e também na Venezuela)

Bem, eu ia escrever nesse meu mais novo texto nesse louco Boteco sem Esquina sobre o novo candidato a mendigo milionário do pedaço, o Ai Que Batista - que dizem que tem que vender até a peruca pra poder pagar o que deve aos seus credores. Outra ideia bacana foi a do Rei do Camarote, uma mistura de Tiago Leifert com aquele cara das Casas Bahia (só que ainda mais boiola) que dá dicas espertas - muito embora ao contrário - pra se dar bem nas festchinhas pela noite. Mas o assunto deste comecinho de semana, que é pra começá-la lá em cima, é o Natal antecipado na Venezuela, o país que acabou de inventar a Micareta do Menino Jesus.
 
O sucessor do Huguinho Chapolim, Nicolás Maisduro, o Professor Girafales do Miraflores, mal esquentou a bunda na cadeira de presidente e já está aprontando das suas, como diria o Dirceu Rabelo nas chamadas da Sessão da Tarde. Primeiro, declarou a torto e a direito que viu o Chavito na forma de um passarinho e que fala com ele todo santo dia. Depois, criou o Vice-Ministério da Suprema Felicidade Geral do Povo e da Porra Toda (só a última parte é que é mentira; o resto é tudo verdade), que ninguém sabe pra que serve - parece até uma porrada de ministérios daqui do Brasil. Agora, tem a mais recente™: o Bigodón decidiu antecipar o Natal em território venezuelano para o mês de novembro.
 
Agora, gente, falando sério: o troço que o cara toma (e o Huguito certamente também tomou por anos) deve ser do bom, mesmo. Não demora muito e o sujeito vai botar a Páscoa pro mês de setembro. Os poderosões do pedaço despirocaram o cabeção e vão querer cercar todo o território venezuelano pra transformá-lo num gigantesco hospício, se bobear. Dizem que a próxima jogada do Maisduro será substituir o calendário gregoriano pelo bolivariano, que é pro Réveillon ser comemorado no dia do seu aniversário. 

27 de out de 2013

Não há surpresas

Fonte: Jornal Alef
Quando a gente pensa que já viu de tudo, fatos nos obrigam a concluir que, sim, sempre a Humanidade sempre pode cavar um buraco ainda mais fundo. Vejam a notícia ao lado, que dá conta de uma tentativa de criação, na Rússia, de um partido político que mesclaria as doutrinas comunista e nazista. Quem sabe o mínimo de História Geral percebeu há tempos que o comunismo e o nazismo em nada se diferem: ambos são totalitários, genocidas e racistas, e vêm se aproximando perigosamente no que tange à demonização de Israel, por exemplo.

Porém, o pior não é isso, e sim o que as pessoas insistem em não perceber o óbvio, ainda exaltando o modo de viver ultraesquerdista como se fosse a solução de todos os nossos problemas. Tanto que, ao contrário da suástica, a imagem da foice e do martelo não desperta a repulsa que deveria. A versão ocidental desses "visionários" costuma identificar os totalitários nazistas com os conservadores e a direita, mas na verdade eles dizem o contrário, pois a esquerda tem muito mais identificação com o regime derrotado na Segunda Guerra Mundial.

21 de out de 2013

Não abre a boca, que é Royal

Boa noite a todos, Brasil. Eu faço minha estreia em tão prestigioso broguinho escrevendo sobre o assunto do momento™: a invasão do Instituto Royal por uma caralhada de gente pra soltar um monte de cachorro por aí. As chamadas ecomalas alegaram que os pobres lulus eram usados por esses cruéis e desalmados pesquisadores para um monte de testes, que se bobear elas nem sabem direito quais são.
 
Vou polemizar: essas figurinhas muito loucas que vivem aprontando mil e uma por aí não sabem é porra nenhuma do que estão fazendo. Os fãs involuntários do Snoopy, então, nem podem ficar doentes depois dessa. Afinal, tudo que é remédio que eles costumam tomar é resultado de quê? De pesquisas com animais! Notadamente os beagles, aqueles cãezinhos fofuchos que foram ~libertados~ pelos ativistas animalistas. Ou seja: se eles estão vivos, é graças aos cachorrinhos fofonhos que eram submetidos a testes e mais testes. Se vocês quiserem se solidarizar c'os bicho, beleza. É só parar de tomar qualquer remédio. Só não me peça pra arcar com as consequências...
 
Claro que, se houver abusos, que eles sejam devidamente punidos. Óbvio! Não sou nenhum desprovido de noção, ao contrário do que todos que me conhecem pensam sobre minha pessoa. Mas não sou nenhum ingênuo que pensa que tem condições de salvar o mundo e os animais, como se quisesse fazer a Marina Selva incessantemente. Esqueçam, meus filhos! Se eu imaginar o contrário, despiroco o cabeção de vez e desando a falar bobagens como a Dilmão Hussein, que acha que sempre tem que ter um cachorro atrás de uma criança, misturando pedofilia e zoofilia num mesmo discurso.

Bem-vindos a este boteco louco

Boa noite, meus queridos. Ou a quem estiver lendo este texto. Pra quem ainda tiver paciência com blogs e quetais, o nascimento de um diário virtual pode ser considerado motivo de júbilo. Pra mim, é um renascimento, apesar de os blogs não estarem tão em voga como estavam cerca de dez anos atrás. Durante sete anos (de 2005 até o ano passado), mantive um chamado Amenidades & Bobajadas. Era ótimo extravasar sobre aquilo que me afligia diariamente, e eu escrevia sobre qualquer assunto. Qualquer assunto, mesmo. Mas o tempo passou, eu deixei o A&B bem de lado. Aí, decidi não mais atualizá-lo. Escrevi, inclusive, um lacônico texto de despedida. Foi há pouquíssimo tempo. Aliás, foi há menos de meia hora.

Sabem, há meses venho acompanhando os acontecimentos sem ter sequer inspiração para escrever sobre eles - haja assunto! -, e há semanas venho pensando em escrever sobre eles mostrando como seria bom fazê-lo de um jeito que não deixe dúvidas quanto a minhas opiniões ou a de outras pessoas. Há dez anos eu blogo. Faço um blog de notícias humorísticas chamado A Trombada!, mais antigo (embora sem o mesmo talento, reconheço) que a grande maioria de blogs noticiosos de humor existentes por aí - aliás, ele será descontinuado no final deste mês. Neste blog, tenho um personagem chamado Saúvo Carrapatoso, um jornalista esportivo da fictícia cidade de Picapiroca do Norte. Já faz algum tempo que o faço escrever no meu outro blog ativo, o futebolístico Golblog Futebol Clube - onde, inclusive, ele tem uma coluna fixa às quintas-feiras, chamada sugestivamente de Coluna de Quinta. Há tempos penso em "convidá-lo" pra blogar comigo, já que escrevo de forma mais elegante e ele esculhamba tudo, mesmo - basta lê-lo por lá para comprovar. É uma forma que tenho de mostrar algo diferente para reclamar e comentar quanto as coisas saem do controle na minha visão - heterônimo, Fernando Pessoa, sacou? Enfim: este novo blog, o Boteco sem Esquina, é basicamente isso. Eu escrevo sobre determinados assuntos com mais calma; o Saúvo, com maior mordacidade.

Nunca frequentei botequins, e não bebo nem mesmo socialmente. Mas tenho os botecos como ponto de encontro de gente que quer bater um papo sobre qualquer assunto (na verdade, só adotei este nome pro blog porque os títulos "Monólogo de Dois" e "Diálogo de Um" já estão registrados pelo Blogger, mas não espalha). Pretendo manter alguns clássicos de A Trombada! neste BdE: a Tassa di Prástico, que elege os piores de cada ano, incluindo aí o prêmio máximo, o de Mala do Ano; e o Estandarte de Lata, que elege os piores do Carnaval. Mas de resto, pretendo renovar o meu estilo de blogagem ao introduzir o estilo ácido de Saúvo Carrapatoso nestes escritos. Pode ser que haja mudanças no decorrer do tempo, mas de toda forma é um novo blog que nasce neste momento. Deleitemo-nos, pois.